quinta-feira, 29 de junho de 2017

À minha filha Matilde

Querida filha,

Quando entraste na minha vida senti uma enorme alegria, desconfiei que estava grávida muito rapidamente e preparamo-nos para te receber, com tanto amor como já tínhamos recebido a tua irmã. Na verdade, tu terias ainda mais sorte, em vez de seres recebida por dois corações, serias recebida por três, o meu, o do pai e o da Nonó.

Creio que a agitação que senti ao longo de todo a gravidez, foi já um aviso do furacão que aí vinha. Tantas voltas deste que eu cheguei a achar que vinha aí uma atleta de alta competição (o que não está assim tão longe da verdade). Já sabes que nos pregaste um grande susto à nascença, já te contei quando achei que tinhas idade para entender. Por isso, a verdadeira alegria (depois do momento em que soube que estava grávida), tive quando te trouxe para casa connosco.

Ouvimos muitas vezes dizer que, quando temos o segundo filho, corrigimos muitos dos erros que cometemos com o primeiro: deixamos de correr sempre que choram, damos menos colo... Contigo não foi nada assim. Desde o dia em que chegaste a casa que te dei mais colo do que creio ter dada a qualquer uma das tuas irmãs. Lembro-me, perfeitamente, que depois de ter dar leitinho, adormeceres no meu colo e eu, simplesmente, não te querer ir deitar na cama. Apenas te queria ali, comigo, junto e mim.

Entretanto começaste logo a dar sinal de ti. Um choro alto, estridente, que ninguém podia ignorar. Quando começaste a crescer um riso alto, alegre, contagiante, que mostra que és feliz e trazes felicidade para quem está à tua volta. Continuaste sempre assim. Ris-te com vontade, com gargalhadas abertas, francas, sem querer saber se os outros acham ou não graça ao que tu estás a achar.

Continuas mexida, tal como te mexias imenso na minha barriga. Recordo os dias de Inverno, nos quais, após a sesta, acordavas tão enérgica que me fazias pensar que estava a assistir a uma partida de ténis, pois passava o tempo todo a olhar de um lado para o outro. Continuas assim. Bem, não tanto, a energia continua imensa, mas já mais equilibrada, controlada, comedida. Afinal, aprendeste a aproveitá-la da melhor forma, para as estafetas no colégio, os jogos de voleibol, as brincadeiras com os amigos.

Recordo teres nascido e uma grande amiga, que tem apenas uma filha, me ter perguntado se conseguia gostar tanto de ti como da filha mais velha. Na verdade, ela gosta tanto da filha que não entendia se seria possível amar outra da mesma forma. Na altura expliquei-lhe que sim, que te amava (e amo, naturalmente) tanto como amo a Leonor (e agora também à Mafalda) e que isso era muito fácil e muito natural. Nunca houve um momento em que tivesse tido essa dúvida. Sabes porquê? Porque na verdade, aprendi convosco que, quando nasce um filho, não retiramos amor aos outros que já cá estão, o amor que temos para dar cresce com esse filho. O meu amor cresceu contigo. 

Bem sei que não é fácil ser a mana do meio. Querer agradar à mana mais velha, querer ser e parecer mais velha do que a mais pequenina. No entanto, acredito que tenhas conseguido encontrar o teu lugar. O da mana atlética, que acompanha bem os rapazes, mas não é maria rapaz. A mana que é muito feminina, ao seu jeito, mas é mais desportiva, até na forma de vestir. Sabes filha, até acho graça quando te aborreces porque não queres que te achem gémea da Mafalda. Entendo-te, mas acredita em mim, quando fores mais crescida até vais gostar que pensem que és mais nova.

Minha querida Matilde, agora que fizeste 10 anos (bem sei que já foi na outra semana, mas queria que voltasses do teu passeio de finalistas para que pudesses ler esta carta com calma), apenas te quero dizer que tenho muito orgulho em ti. Na menina alegre que continuas a ser. Nas gargalhadas estridentes que dás. No facto de teres um excelente comportamento na escola, apesar de eu saber o que te custa estar tanto tempo sentada, na sala de aula, porque tu gostas é de correr e saltar. De quão protectora és das tuas irmãs, de estares disposta a defendê-las quando eu me aborreço com elas. De procurares ser tão correta e cuidadosa com os sentimentos dos outros, que quando fazem coisas de que não gostas tanto, me vens contar e não és capaz de lhes dizer, para que não fiquem tristes. Do facto de seres a minha menina responsável e arrumadinha, que gosta de me ajudar na cozinha e que está (quase) sempre disposta a ajudar sem reclamar. Na menina generosa que és. Na alegria que trazes para a nossa casa.



Amo-te muito e o meu desejo é que sejas muito feliz.

Beijinhos gigantes como o teu coração,

Mãe. 


domingo, 25 de junho de 2017

Tecidos de exterior

Olá perfects,

Já vos mostrei o espaço com as paletes que fizemos, de forma muito rápida e prática com artigos disponíveis no mercado. No entanto, desde o início do projeto que decidimos construir um banco de jardim no exterior. 

Como não é difícil de imaginar, o ideal para estas situações é mandar fazer por medida as almofadas para os assentos, com tecidos próprios de exterior. Escolhi os tecidos In Out da marca Maria Flora, que nos comercializamos. São ótimos e a opção certa para exterior com podem ver no vídeo. Para ser sincera não me importava nada fazer mais almofadas para o banco, mas para já está bem
assim, até porque no Inverno tenho de as guardar! ;) (mas não está excluído)!

A opção por preto e branco para o exterior é a minha cara, sem dúvida, pois o jardim já tem muito verde e gosto assim. De qualquer forma, a marca tem opções lindas de outras cores que posso conjugar a qualquer momento. Para que desconfie da eficácia dos tecidos fiz um pequeno vídeo, espero que gostem!



Vejam aqui o vídeo

video

Caso não consiga ver o video diretamente, por favor clique aqui

Espero que sirva de fonte de inspiração.

Beijinhos,

Inês

BE HAPPY, BE PERFECT!



quinta-feira, 15 de junho de 2017

A primeira comunhão da Mafalda - o bolo

Olá perfects,

Já viram o post de ontem, com a explicação das mesas? Se não viram, vão lá espreitar para perceberem o conceito. 

Uma das coisas que gosto imenso de escolher é o bolo e decorar a mesa do bolo também. No caso das comunhões, geralmente procuro deixar uma mesa penas para o bolo e cakepops (porque os miúdos adoram). Esta ano, não sabia bem como havia de fazer o bolo. Lembrem-se que já é o terceiro e a imaginação de uma mãe tem limites (mesmo uma mãe decoradora). ;) Por isso, acabei por propor à Manucha (Manucha cakes and More - vejam o FB dela AQUI) que se inspirasse no vestido da Maf. para fazer o bolo. Assim foi, o M identifica a minha pequenita e os folhos do bolo e as pintinhas, os folhos do vestido e as pedrinhas na parte de cima do vestido. 

Para decorar a mesa usei duas gaiolas de pássaros, que decorei também com as hortenses e coloquei os cakepops em suportes a imitar madeira, para ir de encontro à restante decoração. o mini prato de bolo com os passarinhos tinha os santinhos que a Maf deu aos amigos e à família, que são da Malaquite Illustrations (veja o FB AQUI) que pedi para adaptar, pintando a saia de cor-de-rosa, para ir de encontro à saia da minha menina da primeira comunhão! (depois mostro com mais pormenor, no post sobre os presentes) <3. Foi este o resultado.









quarta-feira, 14 de junho de 2017

A Primeira Comunhão da Mafalda - as mesas

Olá perfects,

Como prometido, vou partilhar convosco as minhas dicas para a primeira comunhão. Na verdade, esta é a terceira primeira comunhão. No ano passado tivemos a da Matilde cujos pormenores já partilhei aqui, aqui, aqui e aqui

Já expliquei que a primeira comunhão é um momento importante para nós. As meninas entendem bem o que é comungar a primeira vez e, neste caso, considerando que fazem a catequese no colégio, devo dizer que tenho o trabalho muito facilitado pois os catequistas, cumprem o seu papel muitíssimo bem. Sendo assim, ultrapassando esta preocupação, que é o que realmente importa nas celebrações religiosas, fica ao meu encargo tornar o dia delas ainda mais especial e partilhá-lo com a família a amigos muito próximos. Nunca são festas muitos alargadas, somos pouco mais de 30 e, lembrem-se, que tenho 3 irmãos, por isso, chegar às 20 pessoas só com pais e irmãos, no meu caso, é muito fácil.

A celebração foi a meio da tarde, logo, com o vento que estava era impossível fazer jantar no exterior. Assim, servimos as entradas no jardim e o jantar na cave, na sala que criamos para esse efeito. A tal family room, de que pode vezes falo aqui no blog a que chamo 'a sala onde tudo acontece'. É lá que se faz as festas, o Natal, os jantares de amigas e durante o ano as miúdas brinca e estudam. 

No ano passado, decidi usar uma mesa comprida. Foi uma decisão que ficou mesmo até à última, pois tínhamos mudado à pouco tempo e ainda não tinha bem noção do espaço. Este ano queria algo diferente, por isso, optamos por mesas redondas. A empresa de catering traz tudo, mesas, cadeiras, toalhas, louça, o que é um descanso para mim e quando saem fica tudo arrumado (chama-se Ricardo Vilas Boas, para quem precisar de referências). Yesss! Voltei a escolher a base branca e dourada, pois permite-me usar o resto como me apetecer e juntar as cores que quiser. Neste caso, como o vestido da Mafalda foge dos vestidos muito tradicionais (hei-de fazer um post com os vestidos das três para que vejam que eu acabo sempre por escolher vestidos que fogem do que é mais habitual, já vi que é uma tendência) e tem um estilo até um pouco boho, acabei por incorporar essa ideia na decoração. Então, os centros de mesa foram feitos com uma placa de madeira no qual coloquei jarras em vidro, com fitas de ráfia (vou fazer um passo a passo para verem porque é muito fácil). Escolhi hortenses porque tenho imensas no meu jardim e estão lindas, logo como é uma for que adoro a opção era fácil e acabei por espalha-las por toda a casa em diferentes jarras e arranjos que fiz, inclusivé na mesa de doces e de bolo. Os marcadores de lugar fiz com folhas das cameleiras (ou japoneiras) que tenho no jardim, e escrevi os nomes com caneta prateada (a dourada não se via muito bem), muito fácil e original. Assim, completei o look boho chic nas mesas da primeira comunhão, mas que na verdade podem usar como inspiração para casamentos e batizados, you name it. ;)








Espero que gostem e que sirva, de alguma forma, de fonte de inspiração.

Como o post é muito longo, depois publico mais posts com outros pormenores. ;)

Beijnho

Inês

BE HAPPY, BE PERFECT!

As fotos são todas da querida Isabel Pereira Fotografia, que faz trabalhos lindos. Sigam o FB dela, pois além de fotos fofas para recém nascidos e famílias, as sessões de despedida de solteira são o máximo, vejam algumas  AQUI

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Viver o exterior

Olá perfects,

Já sei que andam a reclamar a minha falta e com razão (até as amigas já reclamam)! Acreditem que não tem sido fácil, com projetos a começar, outros a orçamentar, outros a meio e toda a vida a rolar, com as 3 pequeninas e comunhões pelo meio (quem nos segue no instagram ou no facebook já viu algumas fotos), não me tenho conseguido concentrar nos posts. O instagram acaba por ser muito intuitivo e rápido, logo vou postando muito lá!

No entanto, sinto falta do blog. De explorar mais coisas aqui, de mostrar as ideias de outra forma. Por isso, aqui estou, para vos mostrar uma coisa que fizemos em nossa casa e cuja ideia podem aproveitar, por ser muito fácil de implementar.

Começamos por aparafusar paletes duas a duas. (Podem encontrar em lojas como o Leroy Merlin).

De seguida, como queria algo pronto, porque o ideal é mesmo fazer por medida (noutro post mostro o que fiz no banco de jardim e vão  perceber que quando se faz os elementos por medida, conseguimos ir ao detalhe), usei estes colchões do IKEA. 


Por último, decoramos com almofadas pretas e brancas (estas são da Leroy Merlin) e as almofadas de folhas que adoro, que são Perfect Home, claro está! 

Espero que tenham gostado da ideia é que sirva de fonte de inspiração! 

Beijinho e bom fim de semana.
Obrigada por estarem por aí, por comentarem e por me pedirem ideias por aqui.

Inês

BE HAPPY, BE PERFECT!